0

Resumo do Carrinho

    01/07/2024

    Introdução alimentar: como incentivar crianças a comerem bem

    A importância da boa alimentação durante o desenvolvimento infantil tem sido cada vez mais assunto de estudos, os quais vêm comprovando diversos benefícios para as funções motoras e cognitivas, além das contribuições para a saúde e a qualidade de vida das crianças.

     

    Cientes disso, é natural que pais ou outros responsáveis se preocupem com os filhos que não demonstram muito apetite ou querem comer sempre os mesmos alimentos, não consumindo todos os nutrientes necessários para um crescimento proporcional e saudável. Sem falar nos pequenos que dão preferência aos doces e frituras, que podem ser grandes vilões.

     

    Por isso, cabe aos adultos darem exemplo às crianças, se alimentando de forma saudável, e buscarem equilíbrio na alimentação dos filhos, observando as necessidades energéticas e nutritivas para cada faixa etária.

     

    Para os menores, ferro e proteínas são fundamentais, porque evitam o surgimento de anemia. Já as proteínas e o cálcio são importantes para os maiores, ajudando no desenvolvimento da massa óssea e muscular.

     

    Dicas

    Algumas dicas podem ser seguidas pelos pais ou outros responsáveis para incentivar as crianças a se alimentarem bem. Uma delas é manter hábitos para a hora das refeições.

     

    Considerando os horários de sono da garotada, é importante estabelecer horários fixos para as principais refeições (café da manhã, almoço e jantar), assim como para os lanches intermediários, evitando guloseimas perto do horário das refeições. Lembrando que a ingestão de açúcar é proibida para os menores de 2 anos.

     

    Conforme o Ministério da Saúde, uma alimentação rica em nutrientes para manter os pequenos saudáveis inclui a ingestão diária de três porções de frutas.

     

    Outra dica é envolver as crianças no preparo das refeições. Muitas delas evitam consumir alimentos desconhecidos e, com isso, podem até acabar sofrendo com a falta de nutrientes, além de se negarem a se alimentar.

     

    Uma das formas para despertar nelas o interesse nas refeições e em participarem da rotina alimentar é envolvê-las no processo de escolha dos pratos e preparação das receitas.

     

    Variar nos alimentos e até mesmo nas formas de preparo, apostando em comidas coloridas e de diferentes texturas, também pode estimular a garotada a manter uma rotina alimentar saudável.

     

    Ingredientes como carnes com pouca gordura, peixe e fontes de cálcio, como o leite, são muito bem-vindos nas receitas. Alimentos versáteis, como a batata, também são úteis para diversificar o cardápio.

     

    Ferramenta

    Uma ferramenta que pode ajudar as crianças a se alimentarem bem é o ‘Papo alimentar: 100 cards para conversar sobre a alimentação’, criado pela psicóloga Lívia Rodrigues e publicado pela editora RIC Jogos.

     

    Para uso clínico com o público infantil acima de 4 anos, incentiva, de forma lúdica, o diálogo sobre o assunto e possibilita o acesso às limitações e às crenças do paciente de modo que as intervenções possam ter mais eficácia.

     

    Livro infantis

    A leitura de livros infantis também contribui para estimular a alimentação saudável na infância.

     

    ‘Comer, comer é o melhor para poder correr!’, escrito pelas psicólogas Wandersonia Medeiros e Vanina Cartaxo, faz menção à fábula da tartaruga e da lebre, acrescentando que o que ninguém contou é que a lebre parou no meio da corrida para descansar porque estava sem energia.

     

    Isso porque tinha grande dificuldade para comer, o que a deixava fraca. A obra ensina o reconhecimento das emoções e os pensamentos associados ao padrão alimentar, incentivando uma nutrição equilibrada.

     

    Hábitos saudáveis

    Como é possível desenvolver hábitos saudáveis dentro do estilo de vida acelerado da atualidade? Como suprir as necessidades nutricionais das crianças e colocar tantos conhecimentos em prática? Estas e outras perguntas são respondidas no livro ‘Qual a cor do seu prato’.

     

    Escrito pela nutricionista Angélica Ozório Linhares e pela psicóloga Raquel Barboza Lhullier, também apresenta diversas ideias e exercícios para estimular a alimentação saudável na infância.